You are currently viewing Escola Particular
Você sabe quais são os diferenciais das Escola Particular? Neste post você refletirá conosco sobre as concepções das Escolas Públicas e Particulares

Escola Particular

Você sabe quais são os diferenciais das Escola Particular?

Neste post você refletirá conosco sobre as concepções das Escolas Públicas e Particulares.

É comum dizer que os Jesuítas do século XVI foram os primeiros professores neste território chamado Brasil, mas sabemos que não é bem assim.

Pois precisamos considerar que já existiam outros conhecimentos e modos de desenvolvimento coletivo antes dessa chegada.

Mesmo assim, concordamos que a catequização foi o primeiro modo ocidental de pedagogia por aqui.

Depois, com o Império, foram surgindo outras formas de escola, bastante restritas e privilegiadas.

O tempo passou, chegamos à Universalização da Educação Básica com a Constituição Federal e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

Com isso, a Educação passa a ser dever do Estado e direito das cidadãs e cidadãos.

O caminho é longo e complexo.

Escola Pública

É a partir da Universalização da Educação que a Escola Pública recebe a diversidade e a pluralidade social.

Passando pela Educação Infantil, pelo Fundamental 1 e 2 e o Ensino Médio.

Se por um lado essa característica garante equidade, por outro provoca precariedade.

Pois a qualidade dependerá das intenções de cada gestão pública e de seus interesses políticos.

Ainda é comum o discurso de que a Escola Pública era ótima e agora não é.

No entanto, muitas vezes se desconsideram as dificuldades de investimento, formação e implementação que a amplitude da responsabilidade exige.

Quando uma política pública deixa de ser privilégio, ela necessita de empenho e compromisso por parte dos Poderes da República.

Um dos piores danos à Educação Pública é a descontinuidade de planos, já que, no geral, muda-se a gestão, muda-se o plano.

E o pior, acontece de a mudança ser radical ao ponto de desconsiderar pontos positivos de interesse social e pedagógico.

Por exemplo, estamos em 2021, ano de aniversário de 100 anos de Paulo Freire.

Patrono da Educação Brasileira, reconhecido mundialmente por seus feitos e seu legado.

No entanto, em seu país é atacado por incompreensões.

Além disso, também é usado inapropriadamente por interesses contrários à prática constituída por ele.

Escola Particular

Diante da grande precariedade, e também da inflexibilidade de planos e currículos, a Escola Particular ganha força e espaço.

Mas isso não quer dizer que em todos os casos a Escola Particular é melhor que a Escola Pública.

Muitas vezes, em resultados avaliativos, as duas instâncias se igualam, de modo negativo.

Ainda mais em tempos nos quais grandes conglomerados compram todas as possibilidades.

Homogeneizando métodos e aplicações que valorizam a monetização do erro.

Ou seja, crianças e jovens se prendem em avalições, notas e recuperações custosas financeira e psicossocialmente.

Qual é a vantagem da Escola Particular?

Com o advento da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a Educação Brasileira passa a ter direcionamento comum para Escolas Públicas e Particulares.

Porém, isso não significa que todas as escolas serão iguais.

A intenção é que todas as pessoas tenham acesso às mesmas habilidades e competências.

No geral, as Escolas Públicas seguem as diretrizes de suas secretarias.

As Escolas Particulares também respondem a parâmetros estabelecidos, mas têm mais liberdade para desenvolver seus métodos e modos.

Por exemplo, dividir suas turmas em grupos multietários, trabalhar com Metodologias Ativas em todas suas atividades.

Ainda mais, agora, com a amplitude da Educação Híbrida, criar novos meios de convivência.

Isso não quer dizer que as Escolas Públicas são necessariamente limitadas, mas a burocracia, na maioria das vezes interrompe ideias inovadoras.

Mesmo assim, os mapas da inovação estão repletos de experiências em constante transformação.

Escola Pública ou Escola Particular?

Diante dos fatos, a escolha entre um ou outro segmento não é tão simples.

Precisamos considerar fatores financeiros, logísticos, pedagógicos que variam tanto quanto a diversidade de composição familiar da sociedade brasileira.

O que vale pensar é: não tenhamos preconceitos!

Precisamos conhecer os projetos das Escolas Públicas dos nossos entornos, certamente encontraremos espaços bonitos e significativos, comprometidos com valores indispensáveis.

Do mesmo modo criterioso precisam passar as Escolas Particulares, para que não sejamos enganados por belas fachadas e práticas ruins.

Converse com as pessoas envolvidas – gestão e equipes educadoras –, com familiares e responsáveis, procure notícias… Enfim, engaje-se na escolha.

Afinal, uma escola é um lugar para criação e desenvolvimento de laços diversos e mais ou menos permanentes.

E você, conte pra gente, por onde passam, ou passaram, suas vivências escolares?

Francisley da Silva Dias

Mais conhecido como Francis, é Educador, Professor de Língua Portuguesa Brasileira, Preparador, Revisor e Tradutor de textos; acredita na Educação e nas Artes como essenciais para os desenvolvimentos sociais.

Deixe um comentário